O jugo desigual na Bíblia

Depois da queda da raça humana, Deus colocou em ação o plano de restauração, para que novamente cada pessoa pudesse receber a vida eterna e a pureza de todas as faculdades (física, mental e espiritual).

Por outro lado, Satanás também desenvolve o “plano da perdição”, para afastar cada vez mais a criatura do criador.

A primeira grande empreitada do diabo contra a raça humana está descrita em Gênesis 6:2: “… vendo os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, tomaram para si mulheres, as que, entre todas, mais lhe agradaram”.

O namoro e casamento dos filhos de Deus (descendência de Sete e Enos) com as filhas dos homens (descendentes de Caim) trouxe como conseqüência a corrupção do gênero humano: “Então, disse o Senhor: O meu Espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal…” (Gen. 6:3).

Este foi o grande pecado que desencadeou a maior desgraça humana, ao ponto de lermos na Bíblia: “se arrependeu o Senhor de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou o coração” (v. 6).

Deus infelizmente teve que destruir a humanidade que se agarrou ao pecado.

Depois do dilúvio novamente há um povo separado, são os que aceitam fazer a vontade de Deus e testemunhar do Seu amor.

Este povo agora tem um nome: Israel. Depois de serem libertados do Egito, em direção a uma terra prometida por Deus, novamente Satanás procura destruí-los.

Depois de tentar amaldiçoar a igreja de Deus três vezes por meio de Balaão, o inimigo de Deus executa sua grande estratégia infalível: “jugo desigual”.

“Habitando Israel em Sitim, começou o povo a prostituir-se com as filhas dos moabitas” (Num. 25:1). Daí começa a idolatria do povo. Resultado: vinte e quatro mil mortos pelo castigo divino!

Agora na terra prometida novamente a história se repete: “Habitando, pois, os filhos de Israel no meio dos cananeus… tomaram de suas filhas para si por mulheres e deram as suas próprias aos filhos deles; e rendiam culto a seus deuses” (Juízes 3:6).

Sansão, o homem mais forte do mundo, se torna o mais débil, e de juiz do povo passa a um escravo, quando capturado por essa armadilha maligna: “jugo desigual”.

Este plano satânico é tão bom, que nem o homem mais sábio do mundo escapou: “Ora, além da filha de Faraó, amou Salomão muitas mulheres estrangeiras: moabitas, amonitas… mulheres das nações de que o Senhor havia dito aos filhos de Israel: Não caseis com elas, nem casem elas convosco, pois vos perverteriam o coração, para seguires os seus deuses” (I Reis 11:1 e 2).

É quase inacreditável que o mesmo homem que se tornou rei de Israel e construiu o templo do Senhor “seguiu a Astarote, deusa dos sidônios, e a Milcom, abominação dos amonitas” (v.5).

Sobre o casamento de Salomão com uma mulher egípcia, note qual o pensamento de Deus: “Do ponto de vista humano, este casamento, embora contrário aos ensinamentos da lei de Deus, parecia provar-se uma bênção; pois a esposa pagã de Salomão se converteu e uniu-se com ele na adoração ao verdadeiro Deus… Fazendo, porém, aliança com uma nação pagã, e selando o pacto pelo casamento com a princesa idólatra, Salomão temerariamente desconsiderou a sábia provisão que Deus fizera para manter a pureza de Seu povo. A esperança de que sua esposa egípcia se convertesse era apenas uma débil escusa para o pecado” (E. G. White, Profetas e Reis, 53 – 55).

Em II Coríntios 6:14-15 lemos: “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?”

Deus é bem claro acerca do que pensa sobre este assunto. É expressamente proibido por Ele casamento dos Seus seguidores com incrédulos.

Como pastor gostaria de expressar algumas conclusões sobre este tema:

1- Não é válida a desculpa de que na igreja não há candidato(a) a namoro.

2- O interesse por alguém que não serve a Deus e transgride Seus mandamentos, revela falta de amor e relacionamento íntimo com o Senhor. Quando você ama alguém, terá dificuldades de amar o inimigo dela! Se eu amo a Deus de coração, como vou me apaixonar por alguém que não O serve, não

O obedece e nem O adora? E como eu mesmo O desobedeceria sabendo que Ele não aprova esse relacionamento?

3- Há sinceros que ainda estão fora da igreja e precisam ser descobertos. Todavia, namoro não é um bom método de evangelismo, pois mistura a afeição a Deus com a humana. Se você acha que seu pretendente é um candidato ao reino de Deus, ame-o primeiro como seu próximo e procure levar o evangelho antes de pensar no namoro. O ideal seria orar por ele e conseguir uma outra pessoa (do mesmo sexo e faixa etária se possível) para se aproximar e dar a oportunidade de aceitar a Jesus, através de estudo Bíblico, envolvimento com pequenos grupos, etc.

Namorar antes de fazer isso, ou consciente que a pessoa não está interessada em Jesus, é colocar a vida eterna em risco, e construir um casamento infeliz e desestruturado.

4- Se você já namora um incrédulo(a) darei uma sugestão: dê a ele(a) através de um estudo ministrado por outra pessoa a oportunidade de aceitar Jesus, e depois disso, você já sabe o que deve fazer.

Fui pastor de uma moça que teve a coragem de condicionar o namoro à Palavra de Deus.

Antes de assumir um compromisso sério, apresentou Jesus a seu pretendente por meio de outra pessoa. Todavia, estava segura de que se o rapaz rejeitasse a Deus, ela também o rejeitaria como namorado. A fidelidade dela a Deus foi mais um testemunho a esse jovem, que aceitou a Jesus e já é uma bênção na igreja.

Não troque sua felicidade por desejos humanos! Seja Fiel a Jesus como Ele já foi a você!

PR. YURI RAVEM 

Mestre em teologia e pastor da Igreja Adventista em Sumaré – SP. Casado com Andressa, mestre em educação.

Fonte:http://www.nistocremos.net

Sexo antes do casamento é mesmo pecado?



Resposta: Antes de nos determos no tema (sexo antes do casamento), é bom destacarmos que Deus não é contra o prazer sexual. Foi Ele quem fez o sexo e o deu depresente para o ser humano. O problema está no sexo que é praticado fora do casamento. Quando nos criou Deus sabia como poderíamos desfrutar plenamente do prazer sexual. Vendo que é dentro de um contexto de profunda intimidade e segurança (só dentro do casamento isto pode ser desfrutado plenamente) que a pessoa pode realizar-se sexualmente, Deus estabeleceu em Sua Lei que as relações sexuais devem ser mantidas após o matrimônio. Veja que Deus sempre sabe o que é melhor para as Suas criaturas!
Continuemos em nossa análise:
1) Quando Deus criou Adão e Eva, logo em seguida proferiu a “bênção” sobre o casal; após isto, ambos “se tornaram uma só carne” (Gênesis 1:27 e 28; 2: 21-24). O sexo faz parte da perfeita criação de Deus qualificada como sendo “muito bom” (cf. Gênesis 1:31).

2) As Escrituras condenam a prática do sexo fora do casamento, pois tal atitude não faz parte do plano original de Deus:
“Alguém vai dizer: eu posso fazer tudo o que quero. Pode, sim, mas nem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: Posso fazer qualquer coisa. Mas não vou deixar que nada me escravize. O alimento existe para o estômago, e o estômago existe para o alimento. Sim, mas Deus acabará com os dois. O nosso corpo não existe para praticar a imoralidade, mas para servir o Senhor; e o Senhor cuida do nosso corpo. Fujam da imoralidade sexual! Qualquer outro pecado que alguém comete não afeta o corpo, mas a pessoa que comete imoralidade sexual peca contra o seu próprio corpo. Será que vocês não sabem que o corpo de vocês é o templo do Espírito Santo, que vive em vocês e lhes foi dado por Deus? Vocês não pertencem a vocês mesmos, mas a Deus, pois ele os comprou e pagou o preço. Portanto, usem o seu corpo para a glória dele.” (1 Coríntios 6:12,13, 18-20 BLH – Bíblia Na Linguagem de Hoje)
“Mas eu digo: Já que existe tanta imoralidade sexual, cada homem deve ter a sua própria esposa, e cada mulher, o seu próprio marido”. (1 Coríntios 7:2 BLH)
“O que Deus quer de vocês é isto: que sejam completamente dedicados a ele e que fiquem livres da imoralidade”. (1 Ts 4:3 BLH – no original, a palavra para imoralidade se refere à fornicação, sexo fora do casamento).

3) O sexo pré-conjugal traz efeitos negativos:
a) Efeitos emocionais negativos (na grande maioria das pessoas): culpa, ciúme, ansiedade, medo de uma gravidez, etc…
b) Problemas de relacionamento: entre os namorados, familiares…
c) Efeitos espirituais: culpa, medo de Deus, ausência de vontade de estudar a Bíblia e orar…
d) Efeitos físicos: aumenta as possibilidades de uma gravidez indesejada e de contrair doenças venéreas (estas considerações foram extraídas e adaptadas do livroAconselhamento Cristão, de Gary R. Collins – Sociedade Religiosa Edições Vida Nova).

Se ao nos relacionarmos sexualmente presenciamos alguns destes efeitos, o mesmo não está nos beneficiando; e isto não é da vontade de Deus. Ele quer que desfrutemos deste presente da melhor maneira.
Quando Deus nos ensina a maneira correta de fazer sexo, o faz para nosso próprio bem.

4) A fim de aliviarmos a tensão sexual, a recomendação de Deus é que nos casemos:
“Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado”. (1 Coríntios 7:9) O texto é claro a este respeito; não dá margem para que aliviemos nossos desejos sexuais fora do matrimônio.
Isto não indica de forma alguma que a motivação de se casar seja apenas o sexo; cuidado com isto, pois muitos caem nesta cilada!
Assim, vemos que biblicamente, o sexo deve ser feito apenas no casamento. Praticá-lo de outra forma, constitui-se um pecado sujeito a julgamento (I Co 6:9-13;18;20; Efésios 5:3-7; Colossenses 3:5-6, etc), pois o propósito original de Deus é desvirtuado, trazendo assim prejuízos à felicidade e saúde humana.

Há outras razões pelas quais não devemos usufruir a relação sexual antes de se casar? Deus criou o sexo para o prazer e intimidade do casal (também com finalidade de procriação), de modo que ambos encontrassem plena satisfação um no outro. “O sexo é saudável quando você pode conciliar satisfação sexual, integridade, compromisso, bem-estar a outra pessoa e um senso de auto-estima e dignidade. E isto só é possível dentro do casamento” (Pastor José Maria, em um de seus artigos para a Revista Adventista), pois no namoro ou noivado não há este compromisso, palavra esta que está quase que totalmente extinta do vocabulário social atualmente.
Temos de ser honestos em reconhecer que não é das coisas mais fáceis ser puro sexualmente, especialmente na sociedade moderna. Todos os dias somos bombardeados pela mídia com cenas de sexo ou abordados a respeito deste assunto. A cultura na qual vivemos de certo modo nos influencia muito, inclusive em nossos conceitos. Porém, isto não nos dá a liberdade de transgredirmos as leis de Deus. O cristão é guiado pelo Espírito Santo e não pelas opiniões alheias.
O que fazer? Precisamos aceitar o fato de que não iremos modificar o mundo; ao mesmo tempo, tomar a decisão de não permitirmos que a coletividade nos mude, a pontode negarmos os princípios divinos. Somente através de uma íntima e ininterrupta comunhão com o Criador poderemos vencer. Também é importante que adotemos corretos padrões de pensamentos (Filipenses 4:8), e que vigiemos nossos olhos (Jó 31:1; Provérbios 4:23 e 25, etc). Antes disso, temos que decidir ser puros.
E se alguém errou? Nunca é tarde para recomeçar. Deus perdoa todos os pecados, desde que os confessemos (Salmo 32:5; Miquéias 7:19; I João 1:7-9, etc). Pelo sacrifício de Jesus podemos ser purificados e tornados santos, com se nunca tivéssemos errado. Basta ir a Ele, confessar os erros e abandonar o pecado com o auxílio de seu grandioso poder. Se Ele dá esta nova chance, o pecador deveria perdoar-se a si mesmo; assim, sua vida teria sentido.
Jamais nos esqueçamos do amor de nosso Senhor e que nosso Criador é o Deus das Novas Oportunidades.

EQUIPE DE CONSELHEIROS BÍBLIA ONLINE

Fonte: Bíblia Online

QUATRO PILARES DE UM LAR HARMONIOSO

Gênesis 2:24,25

Pare um pouco e pense bem sobre essas palavras, nós temos resumidamente quarto pilares que são o alicerce de um casamento feliz. Cada um desses pilares é necessário para que haja harmonia e felicidade no lar.

1) “Por isso deixa o homem pai a mãe”

Aí está o primeiro pilar. Para que o novo relacionamento floresça, há necessidade de um deixar emocional por parte dos recém-casados. É fundamental que tanto o homem como a mulher cortem o cordão umbilical, rompam os laços de dependência emocional dos seus pais. Este “deixar” é tão importante que Deus o menciona antes de falar sobre união matrimonial. Isto não quer dizer que os recém casados devem abandonar ou deixar de respeitar a honrar aos seus pais, mas significa que eles precisam dar um outro enfoque a vida, tendo o cuidado de suprir as necessidades um do outro.

* Emocional (nã0 deixar de amar, mas no sentido de não ir por qualquer coisa reclamar para os pais)
* Financeiro
* Geograficamente (cada um debaixo do seu próprio teto)

2) “Se une a sua mulher”

A palavra une significa cimentar e indica a natureza permanente do casamento. As duas pessoas estão colocadas uma a outra. Por isso, qualquer tipo de separação é muito dolorosa.
No plano original de Deus, o casamento era uma instituição permanente, “até que a morte os separe”; não até que a sogra os separe, não até que o amante os separe, nem até que a profissão os separe, nem mesmo até que a discórdia os separe; mas até a morte.
Este se une é um processo crescente. Pensando no use do verbo “unir” no versículo 24, deixe-me lembrá-lo de que seu significado é “cimentar”. Se você tentar separar duas folhas de papel colocadas uma a outra, as duas se rasgarão.

3) “Tornando-se os dois uma só carne”
Casamento significa unidade, no sentido mais completo da palavra – espiritual, mental e física. É um processo que acontece durante toda a vida do casal. Esta unidade não pode acontecer da noite para o dia, por isso leva uma vida toda (temos bases diferentes, sentimentos, interesses, hábitos, dons e habilidades). Tornar-se os dois uma só carne refere-se a experiência sexual. Nós nos casamos no cartório para cumprir a lei. Casamos na igreja perante o povo para invocar as bênçãos de Deus a dar testemunho público dos votos feitos. Casamos na cama através do ato conjugal. Aí dá-se a consumação do casamento. Essa experiência é reservada somente para duas pessoas que deixaram e se uniram. Qualquer outra experiência de intimidade física é uma tragédia com resultados catastróficos. A Bíblia define claramente o homem que comete adultério. Vejamos as palavras do grande sábio em Prov. 6:32: – O que adultera com uma mulher esta fora de si, só mesmo quem quer arruinar-se é que pratica tal coisa.

Embora o relacionamento “uma só carne” seja basicamente física, as implicações espirituais, mentais a emocionais são muitas. A Bíblia descreve esse ato em Gênesis 4:1 da seguinte maneira: – E conheceu Adão a Eva, sua mulher, a ela concebeu …. A palavra “conheceu” é a palavra que o Espírito Santo escolheu para descrever essa santa união entre o homem e a sua mulher. O conhecer no ato sexual não é somente físico, mas também emocional, mental e espiritual. Sim podemos dizer que este ato é um ato espiritual.

4) Somente depois que o homem e a mulher “deixam” seus pais e assumem o compromisso de se unirem tornando-se uma só carne, é que vem a intimidade. Este é o quarto pilar do casamento. Ele está expresso nas palavras, ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus, a não se envergonhavam. Na lista das prioridades de Deus a intimidade está em último lugar porque antes dela o casal deve deixar, unir-se e tornar-se. Esta ordem é importante e não pode ser mudada. A nudez de Adão e Eva não era simbólica, mas real. E não havia nenhuma vergonha ou embaraço entre eles. Nenhuma área estava escondida, nenhum medo, nenhum acanhamento. Havia liberdade física e emocional. É importante notar que esta intimidade era o resultado de um relacionamento sem pecado. Até esta altura, havia um profunda intimidade e transparência. Esse era o plano de Deus, mas com o pecado essa intimidade acabou. E agora temos egoísmo, insatisfação, raiz de amargura, frustração e mal entendidos. Através do conhecimento bíblico podemos voltar a gozar o nosso relacionamento sexual como Deus planejou.

Se não houver o deixar o unir-se e o tornar-se, não haverá alicerce para se construir um lar feliz.

O plano original de Deus não pode ser mudado. Os quatro pilares é que seguram a casa e é necessário que haja o compromisso do até que a morte os separe.

Quando o homem interfere na ordem de Deus ele sempre tem problemas. É bem provável que você, meu amado amigo, esteja com sérios problemas em seu casamento. Se este for o caso, tenha uma boa notícia: – nem tudo está perdido, mesmo que o seu alicerce esteja abalado, não se deixe desanimar. O primeiro passo para reconstruí-lo é reconhecer que há problema. Se houver disposição da sua parte, ainda haverá possibilidade de deixar o Senhor edificar a sua casa.

Amor Ágape – amor de Deus

Amor Phileo – amor emocional

Amor Eros – amor sexual

Matemática de Deus: 1 + 1 = 1

Em minha opinião o maior problema que nossos lares estão enfrentando atualmente é falta de compreensão do papel do marido e da esposa no lar. A família é uma “invenção divina”. Deus além de criar o marido e a esposa, estabeleceu princípios e definiu os papéis de cada um, tendo em vista um casamento bem sucedido. O marido que leva Deus a sério pergunta: – “Senhor como eu posso ser o marido que tu queres que eu seja?” Por outro lado a esposa que ama ao Senhor pergunta: -”Senhor como eu posso cumprir o meu papel de esposa de acordo com a tua vontade?” A resposta para ambas as perguntas: Efésios 5:22-29

Fonte: Lar com Cristo

Traidores Traídos – Quem é casado não pode deixar de ler

“A traição sexual feminina pode ser uma reação desesperada à traição profissional masculina”

Hoje não quero falar da minha filhinha dormindo no quarto ao lado. Dedico estas palavras pra quem divide a mesma cama comigo:

Minha mulher.

Vai entender este ser enigmático desfilando beleza às custas de nossas fraquezas! Elas parecem frágeis e fáceis apenas pra disfarçar a fortaleza de alma quase inatingível. Conseguem nos arrancar do centro reposicionando-nos a meros hipnotizados com vontades periféricas. Suas armas são invencíveis: doçura, singeleza, ingenuidade, sensualidade, maternidade, garra, força e dependência. Movem o mundo com caixas de sapatos, cartões de crédito, trocas de fraldas, cabelos impecáveis, cosméticos intermináveis e resistência de fibra de carbono sob um olhar suavemente estonteante. Todas sabem deste poder imenso – nós nos iludimos tentando não reconhecê-lo.

E por que, depois de tanto esforço para conquistá-las, jogamos tudo ralo abaixo tentando sobreviver na sarjeta de casos extraconjugais? De qual reino do absurdo a palavra traição revestiu-se de esperteza na realeza? Filmes, novelas, piadas e histórias-de-pescador tratam deste assunto como se o humor empacotasse de aventura memorável este terrível desvio do bem capaz de estragar tudo. Talvez, nesta supérflua demonstração da malandragem masculina resida nossa patética marca registrada de insegurança. Tememos aquilo que amamos, porque na queda-de-braço nossos bíceps perdem para a resistência às dores de parto – a testosterona fica longe da versatilidade empática da progesterona – e somos completamente incapazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. De repente, o placar se inverte e, com um calafrio na espinha, percebemos que o verdadeiro sexo frágil… Bom, deixa pra lá!

Mas, calma aí! Antes de você entrar em colapso com fúria de ego ferido, prometo não nos fragilizar mais. Somos os reis na floresta de concreto, e ponto final. Agora, neste papo de infidelidade, confesso me incomodar com a razão disto acontecer. Não precisamos disso para sermos mais homens. Não amadurecemos no Olimpo fazendo malabarismos pra disfarçar lares simultâneos. Muito menos, somos mais valorizados ao gastar neurônios encenando duas caras – ou até mais.

Na realidade, você gostando ou não, o verdadeiro prazer na vida não está na mesma experiência com inúmeras anônimas por aí, e sim nas inúmeras diferentes experiências com a mesma mulher aninhada em nossos braços por aqui. Se criaram o casamento como um plano divino de proteção ao sentimento mais eterno herdado pelo ser humano – o amor – a cerca não existe porque os de dentro pulariam, mas para os de fora não atrapalharem. Não perca tempo tentando se destacar agarrando o mundo – invista mais tempo sendo feliz no mundo de alguém.

E do lado delas? Sem pânico! Mas, nesta geração democrática, as mulheres estão numa sociedade em ebulição capaz de igualar direitos e deveres independentes do cromossomo XX ou XY. Se um homem quebra o encanto e pula a proteção, a mulher não é pior se faz o mesmo – ambos são responsáveis pela infeliz desordem na vida numa triste decisão infiel. O que surpreende, até mesmo no universo cristão, é o aumento exagerado destas atitudes feitas por quem antigamente era obrigada a passar o dia “na pia, no fogão, cuidando das crianças à espera do marido com o jantar”.

O que levaria uma mulher, conquistada com pétalas e gentilezas reais, trocar o certo pelo duvidoso? Enquanto homens buscam auto-afirmação provando-se machos onipotentes nas rodinhas dos garanhões, elas sabem que não precisam disso – até porque estão muito acima com “suas mãos embalando berços e movendo o mundo”. Então, qual a razão delas pularem fora do muro protetor explorando outros braços protetores?

Preparem-se…

Homens-pais-machos-corujas-fortões, a resposta é simples, e assustadora: a culpa pode ser nossa! Se você não foi obrigado a casar com ela, não foi conquistado à força por ela, nem lhe pagaram uma fortuna para fingir amá-la, quem moveu montanhas para tê-la junto a si pra sempre? Acertou: você, o homem! Exceções à parte, e sem justificá-las pelo erro, a imensa maioria de casos extraconjugais protagonizados por elas alicerçam-se em razões práticas ofertadas por eles. Filosofem o que quiserem, mas até hoje nunca fui convencido de que a mulher tem propensão, vocação ou pré-disposição para espionar a grama do vizinho. Ela vive feliz focando a preservação de seus sonhos de realeza: ser amada, sentir-se linda, proteger seus filhos, surpreender-se no romantismo, manter-se importante, existir num estado de graça, e rir do charme bem-humorado exclusivo do homem que a cativou pro altar. Ela nem se lembra do binóculo se está valorizada no seu palácio.

Sobrou pra nós, os homens? Claro que sim! Serei masculinamente objetivo:

TRABALHO. Jamais traga seu chefe pra cama. Esposas sabem quando estamos dando mais importância para um engravatado nos dando ordens do que ao recado enviado numa camisola de cetim. Metas, cotas, alvos e índices, tudo isso existe para oportunizar uma melhor qualidade de vida em casa – o problema é quesacrificamos exatamente aquilo que deveria ser beneficiado com nosso profissionalismo. Você tem gasto mais tempo falando do trabalho que do descanso? Sinal vermelhíssimo. Elas preferem um bônus a menos no salário do que uma solidão há mais dentro do quarto. Uma terapeuta me deixou de queixo caído: “a traição sexual feminina pode ser uma reação desesperada à traição profissional masculina”. Trabalhar é privilégio divino, escravizar-se é tentação diabólica. (Ou só trabalhe, e abra mão da companheira pra vida, vivendo de aventurinhas adolescentes…)

PRESENÇA. Tem a ilustração de uma canguruzinha que vivia fugindo da jaula no zoológico. Aumentaram sua cerca e ela saltou pra fora novamente. Levantaram mais meio metro, e lá estava ela perambulando solta de novo. Outro meio metro, e nada. E outro… Até que um dia o leão perguntou pra ela, “vem cá, até quanto você acha que eles vão subir sua cerca?” E a canguruzinha respondeu, “por mim, eles podem aumentar quilômetros, enquanto continuarem esquecendo a porta aberta!” Sentiu o soco no estômago? Existem espaços na relação que não se resolvem com cartas, e-mails, buquês, presentes caros ou telefonemas infindáveis – simplesmente, porque só a presença de corpo e alma nutre a carência genuína de sermos plenos a dois. Nem sempre tríceps definidos serão o mais importante, mas ser carinhosamente envolvida num abraço sem pressa, isto sim, é profundamente encantador. Se você viaja demais, se distraia de menos. Planeje seu retorno cuidadosamente. Deixe claro sua preocupação. Elas precisam ser compensadas de alguma forma: fins de semana surpresa, levar junto em certas viagens, voltar pra casa sem o notebook desligando o Blackberry, etc…

EXCLUSIVIDADE. Não adianta! Dificilmente uma esposa trai porque achou outro mais bonitão (só se você relaxar ao cúmulo do ridículo com pelancas e fedores, se observe!). O que hipnotiza uma traição feminina é o desejo instintivo de se sentirem importantes – e nada no universo prova mais importância do que sentir-se única. O problema não é o futebol, é a devoção inadiável ao vício; nem chegar tarde do trabalho, mas o desinteresse em avisar; encontrar ex-namoradas também, mas não apresentá-la apaixonadamente, é pecado mortal. Ela será exclusiva sentindo que os amigos no esporte não sabem mais segredos do que ela. Na festa, ficará em paz se uma piscadinha discreta garantir pra depois a explicação ultra-particular. Mulher sente-se única com fragilidades masculinas confessadas, traumas reconhecidos e experiências fortes compartilhadas. Sei que pra nós machos é melhor mastigar prego com um piercing no olho a revelar nossos pontos-fracos, mas isso é a coroação máxima para a parceira não temer clones. Minha super-esposa diz: “Amor, mostre-se vulnerável! Sinto-me amada sendo a única saber disso!”

SEGURANÇA. Um dia todas tiveram um pai e, admirando-os ou não, buscam inconscientemente a proteção idealizada na figura paterna. A fidelidade feminina é proporcional à segurança sentida no afeto, respeito e firmeza. Homenzinhos de seda são bons pra trocar fofoquinhas – isto as afasta inseguras e nem de longe é sensibilidade. Mas a força equilibrada de quem sabe o que quer, aonde sonha chegar e defende seu dia-dia, estimula atraentes feromônios despertando a admiração de fêmea protegida. Mesmo com equívocos no percurso, ser proativo vale mais do que reativo (nada haver com impulsivo!) – vivemos um slogan lá em casa “é melhor errar por fazer do que não errar por nunca fazer”. Maridão com iniciativa é artigo precioso no mercado rosa-pink.

HUMANIDADE. Muito raramente, homem pendurando toalha na testa recebeu esta “proeminência” por causa de outro homenzarrão grosseirão. Que nada! Os tempos de Rambo, Conan e Hulk se foram faz décadas. Alguns sentem calafrios com medo de perder autoridade se tiverem de pedir perdão ou extravasar uma lágrima. A questão é que exatamente neste momento a mulher percebe que também pode ser um porto seguro. Já tentei revestir de chumbo a carapaça do meu cotidiano, tornei-me um samurai no front, mas distanciei meu coração humano daquela capaz de me ajudar. Elas se sentem úteis ao encontrarem espaço para também remarem o barco na tempestade. E quando pedimos ajuda, a cumplicidade estabelecida blinda além da cerca. Faça o teste!

AMOR. Não acredito que escrevi isto, mas minha esposa me convenceu – em meus risos irônicos – de que o leitor precisa ler esta palavra! É que minha mente racional, manipulada pelo lado direito da objetividade do cérebro, se recusa gastar muito tempo se derretendo nesta expressão. Mas, vamos lá! O óbvio às vezes é tão óbvio que se esconde dentro do comum. Por isso Deus alertou: “os maridos devem amar as suas mulheres como a seus próprios corpos” (Efésios 5:28a). Traição é o homicídio do amor. Nunca esqueça que o livre-arbítrio é uma via de mão dupla. Faço um apelo aos homens que observem suas atitudes traidoras. As mulheres têm limites e reagirão mais cedo, ou mais tarde. Até algum dia surpreenderem – usando seu livre-arbítrio.

E quem ama sua esposa, a si mesmo se ama” (Efésios 5:28b). Na mosca! Quer sentir-se macho todo poderoso? Você gosta de si mesmo como qualquer homem busca ser centro do universo? Ame pra valer aquela que protegerá sua própria auto-estima, sendo fiel e companheira. O sortudo será você. Na lei da causa-efeito do casamento, amar de verdade é fazer um bem também pra si mesmo. E nada é melhor do que a volta pra casa ser a melhor parte do dia. Feliz.

Sem se estressar com a cerca.

Fonte: Pai Coruja

Querendo Nos Enganar

Temos um inimigo que quer levar de nós nossa família, já percebeu?

Quantas famílias você construir, serão tantas quantas que ele vai trabalhar para destruir. Ele quer destruir você.

Quando você desperta de manhã ele já diz:

– Você hoje está mal, se olhe no espelho! Faria bem você ficar deprimido.

Pois diga: – Estou tão feliz hoje. Obrigado, Senhor, por algo maravilhoso que está vindo a caminho de nossa casa. Vou me aprontar para receber.

Um banho dos pés a cabeça já vai dar uma sacudida, e mesmo que não tenha nada agendado e ninguém pra te ver, você vai se ver! Jesus está te vendo. Se arrume pra Ele. Dando uma caprichada por fora, a mente acompanha dando uma levantada por dentro.

Seu inimigo continua mentindo:

– Faria bem você não falar com ele (a) hoje, viu como recebeu pouca atenção ontem? Pois vamos lá enchê-lo (a) de beijos no cangote dizendo:

– Te amo tanto! Estou com saudades de você.

Temos um inimigo que quer nos afastar de nossos filhos. E nos instiga:

– Seu filho não faz nada que presta!  Faria bem reclamar dele para todo mundo que passar principalmente para os amigos dele.

Pois não atenda. Repita sempre: – Meu filho é uma preciosidade. É uma promessa de Deus. Meus filhos são tudo de bom!

Pra completar o inimigo tem dito: – Veja seu exame, você não vai melhorar. Não existe possibilidade de cura para você. Bem faria em desistir de viver.

Não desista! Deus tem a soma dos nossos dias e vamos viver todos eles em sua presença e em alegria dizendo mesmo quando fraco: Sou Forte! ¹  Forte!

¹Joel 3:10

Fonte: Email que minha esposa me enviou. Quero declarar publicamente que a amo muito. Te amo Rogéria. E juntos (eu, você e Cristo)  venceremos as investidas do inimigo contra nós e nossa família.

17 Dicas para um Casamento Feliz – Extraído da Bíblia !

Como você provavelmente já ouviu falar, quase a metade dos casamentos agora terminam em divórcio, deixando cônjuges amargos e filhos confusos em seu rastro. Não deixe que isso aconteça com você! Se seu casamento está passando por momentos difíceis ou está experimentando felicidade conjugal, ou mesmo se você ainda não é casado, mas considera a possibilidade, aqui estão alguns conselhos grátis, mas comprovados, para ajudar em seu casamento. Eles vêm diretamente de Deus, Aquele que criou e ordenou o casamento! Se você já tentou de tudo, porque não dar uma chance a Deus? Siga as chaves neste guia, e você pode proteger seu lar.

1. Estabeleça seu próprio lar

“Portanto o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e serão ambos uma só carne” (Gênesis 2:24).

A ordem de Deus é específica. Um casal deve deixar pai e mãe e estabelecer a sua própria casa, mesmo se as finanças exigem que esta seja um apartamento de um quarto. Marido e esposa devem decidir em conjunto sobre políticas como esta. Então, ela deve informar seus pais e ele, os dele. Eles devem permanecer firmes, não importando quem se opuser. Milhares de divórcios seriam evitados se esta regra fosse cuidadosamente seguida.

2. Continue seu namoro

“Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados” (1 Pedro 4:8). “Seu marido…ele a louva” (Prov 31:28). “a casada cuida …em como há de agradar ao marido” (1 Cor 7:34). “Amai-vos cordialmente uns aos outros …, preferindo-vos em honra uns aos outros” (Rom 12:10). Continue (ou talvez reviva) as cortesias do namoro na sua vida de casada (o). Casamentos bem-sucedidos não acontecem simplesmente, eles devem ser desenvolvidos. Não tome um ao outro por certo, ou a monotonia que resultará disso irá destruir seu casamento. Mantenha o amor crescendo expressando amor um pelo outro, ou ele vai morrer, e você vai ficar à deriva. O amor e a felicidade não são encontrados buscando-os para si mesmo, mas sim dando-lhes a terceiros. Então, gastem tanto tempo quanto possível, fazendo coisas juntos se vocês se dão bem. Aprendam a se cumprimentarem com entusiasmo. Relaxem, passeiem, façam compras, visitas, comam juntos. Não negligenciem as pequenas cortesias, encorajamentos e atos afetuosos. Surpreendam-se com pequenos presentes ou favores. Não tome mais do casamento do que você coloca nele. O divórcio em si não é o maior destruidor do matrimônio, mas sim, a falta de amor. Dada a oportunidade, o amor sempre vence.

3. Lembre-se que Deus uniu vocês no casamento

“Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher. … Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mateus 19:5, 6).

Tem o amor quase desaparecido da sua casa? O diabo (que é um notório destruidor de lares) é responsável por isso. Não se esqueça que Deus os uniu no casamento, e Ele quer que você fique bem e seja feliz. Ele vai trazer felicidade e amor em suas vidas, se você obedecer à Sua divina regra (mandamentos). “Com Deus tudo é possível” (Mateus 19:26). Não se desespere. Deus, que coloca o amor no coração de um missionário por um selvagem leproso, pode facilmente dar o amor um pelo outro se você deixá-Lo.

4. Guarde os seus pensamentos – não deixe seus sentidos prendê-lo

“Porque, como imaginou no seu coração, assim ele é” (Provérbios 23:7). “Não cobiçarás a mulher do teu próximo” (Êxodo 20:17). “Guarde o teu coração, com toda a diligência, pois dele procedem as fontes da vida” (Provérbios 4:23). “Tudo o que é verdadeiro … honesto … justo … puro … amável … de boa fama, … pense nessas coisas” (Filipenses 4:8).

O tipo errado de pensar irá destruir o seu casamento. O diabo vai prendê-lo com pensamentos como estes: “Nosso casamento foi um erro”. “Ela não me entende”. “Eu não agüento mais isso”. “Nós podemos sempre nos divorciar, se necessário”. “Eu vou voltar para casa da minha mãe”. “Ele sorriu para aquela mulher”. Pare de pensar pensamentos como este ou o seu casamento acabará, porque seus pensamentos e sentidos regem suas ações. Evite ver, dizer, ler ou ouvir qualquer coisa que (ou se associar com quem) sugere impureza ou infidelidade. Pensamentos descontrolados são como um automóvel em ponto morto em uma colina. Tudo pode acontecer, e o resultado é sempre o desastre.

5. Nunca se recolham a noite zangados um com o outro

“não se ponha o sol sobre a vossa ira” (Efés 4:26). “Confessai as vossas culpas uns aos outros” (Tiago 5:16). “esquecendo-me das coisas que atrás ficam” (Filip 3:13). “sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” (Efés 4:32). Permanecer com raiva e chateado com mágoas e ressentimentos (grandes ou pequenos) é extremamente perigoso. Se não são rapidamente resolvidos, mesmo os pequenos problemas se defininem em sua mente como convicções e atitudes que afetam negativamente a sua filosofia de vida. É por isso que Deus diz para deixar arrefecer a raiva antes de se recolher durante a noite. Seja suficientemente grande para perdoar e dizer com sinceridade: “Eu sinto muito.” Afinal, ninguém é perfeito e vocês estão no mesmo time, assim seja suficientemente desportivo e honesto para admitir um erro quando você o comete. Além disso, fazer isso é uma experiência muito agradável com poderes incomuns para fazer os cônjuges se aproximarem. Deus sugere isso! Funciona!

6. Mantenha Cristo no centro de seu lar

“Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a constroem” (Salmos 127:1). “Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas” (Provérbios 3:6). “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e mentes em Cristo Jesus” (Filipenses 4:7).

Esta é a maior regra. Ela realmente cobre todas as outras. Coloque Cristo em primeiro lugar! O real segredo da verdadeira felicidade no lar não é a estratégia da diplomacia, e o incansável esforço para superar os problemas, mas sim, a união com Cristo. Corações cheios do amor de Cristo nunca podem estar muito distantes. Com Cristo em casa, o casamento será bem sucedido. O evangelho é a cura para todos os casamentos que estão cheios de ódio, amargura e decepção. Isso impede milhares de divórcios por milagrosamente restaurar o amor e a felicidade. Ele também vai salvar seu casamento, se você estiver disposto.

7. Orem juntos

“Orai, para que não entreis em tentação: o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mateus 26:41). “Orai uns pelos outros” (Tiago 5:16). “Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente” (Tiago 1:5).

Orar em voz alta um pelo outro! Esta é uma regra maravilhosa. Ajoelhe-se diante de Deus e peça a Ele verdadeiro amor um pelo outro, perdão, força, sabedoria – para a solução dos problemas. Deus tem dado uma garantia pessoal de que Ele vai responder. A pessoa orando não é automaticamente curada de todos os seus defeitos, mas terá um coração que quer fazer o que é certo. Nenhuma família se desfará enquanto sinceramente orarem juntos pela ajuda de Deus.

8. Concorde que o divórcio não é a resposta

“Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mateus 19:6). “Todo aquele que repudiar sua mulher, a não ser por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; E aquele que casar com ela que é repudiada comete adultério” (Mateus 19:9). “Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei” (Romanos 7:2).

A Bíblia é clara. Os laços do matrimônio são destinados a ser indissolúveis e indestrutíveis. O divórcio é permitido apenas em caso de adultério. Mas mesmo assim, não é exigido, apenas permitido. O perdão é sempre melhor do que o divórcio, mesmo no caso de uma queda moral. O casamento é para a vida. Deus assim ordenou quando Ele realizou o primeiro casamento no Éden. Pensamentos do divórcio como solução irão destruir qualquer casamento. Esta é uma razão do porque Jesus descartou essa possibilidade. O divórcio é sempre destrutivo e quase nunca uma solução para o problema. Em vez disso, ele cria problemas muito maiores, por isso nunca deve ser considerado. Frustração, infelicidade, quase inevitavelmente se seguem ao divórcio, e até mesmo o sucesso na vida em si é muitas vezes frustrado. Deus instituiu o casamento para guardar a pureza e a felicidade das pessoas, para prover suas necessidades sociais, e para elevar a sua natureza física, mental e moral. Seus votos estão entre as obrigações mais solenes que os seres humanos podem assumir.

9. Mantenha o círculo familiar bem fechado

“Não adulterarás” (Ex 20:14). “O coração do seu marido está nela confiado. Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida” (Prov 31:11-12). “o SENHOR foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal” (Mal 2:14). “Guarda-te da mulher má…Não cobices no teu coração a sua formosura, nem te prendas com os seus olhos…Tomará alguém fogo no seu seio, sem que as suas vestes se incendeiem?…Assim…o que se chegar à mulher do seu próximo; não ficará sem castigo” (Prov 6:24-29).

Intimidades da família nunca devem ser compartilhadas com os outros – nem mesmo com os pais. É um grande pecado e uma tragédia quebrar essa regra dada por Deus. Uma terceira pessoa a simpatizar ou ouvir reclamações é uma ferramenta do diabo para afastar os corações do marido e da mulher. Resolva os problemas de sua casa privadamente. Ninguém MAIS (exceto seu ministro ou conselheiro matrimonial) devem estar envolvidos. Sempre sejam verdadeiros um com o outro, e nunca guardem segredos um do outro. Não brinque à custa dos sentimentos do seu cônjuge. Defenda vigorosamente um ao outro e exclua estritamente todos os intrusos. Deus, que conhece a nossa mente, corpo e estrutura emocional (e sabe o que ajuda ou prejudica a nós), diz: “não farás”. E quando Ele diz: “Não”, é melhor não. Aqueles que ignoram sua ordem vão pagar a pena suprema. Portanto, se flertes terem começado, acabe com eles de uma vez, evite suas terríveis consequências.

10. Deus descreve o amor; torne-o sua meta diária

“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha” (1 Cor 13:4-7).

Por favor, releia a passagem bíblica acima com cuidado. Esta é a verdadeira descrição do amor de Deus. O amor não é um impulso sentimental, mas um princípio sagrado que envolve cada fase e ação da vida. Com o verdadeiro amor, o casamento não pode falhar. Sem ele, não pode vingar.

11. Lembre-se que a crítica e a irritação destroem o amor

“Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas” (Col 3:19). “É melhor morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e irritadiça” (Prov 21:19). “O gotejar contínuo em dia de grande chuva, e a mulher contenciosa, uma e outra são semelhantes” (Prov 27:15). “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?” (Mateus 7:3).

Pare de criticar, irritar, e procurar falhas. Seu marido ou esposa pode falhar muito, mas irritação não vai ajudar. Não espere perfeição, ou isso resultará em amarguras. Olhe para além das faltas e procure pelas coisas boas. Não tente mudar, controlar, ou obrigar o seu parceiro – você destruirá o amor. Somente Deus pode mudar as pessoas. Um senso de humor, um coração alegre, bondade, paciência e carinho banirá dois terços dos problemas de seu casamento. Tente fazer o seu cônjuge feliz ao invés de bom, e o bom cuidará de si mesmo. O segredo de um casamento bem-sucedido não é ter o parceiro certo, mas sim em ser o parceiro certo.

12. Não exagere em nada, seja moderado

“E todo aquele que luta, exerce domínio próprio em todas as coisas” (1 Cor 9:25). “o amor…não busca os seus interesses” (1 Cor 13:5). “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus” (1 Cor 10:31). “Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão” (1 Cor 9:27). “se alguém não quiser trabalhar, não coma também” (2 Tess 3:10). “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula” (Hebreus 13:4). “Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade” (Rom 6:12-13).

Trabalho, amor, descanso, exercícios, culto, refeições, e as relações sociais devem ser cuidadosamente equilibrados em seu casamento, ou algo vai quebrar. Excesso de trabalho e falta de sono, alimentos adequados ou exercício tornam uma pessoa crítica, intolerante e negativa. Comer em excesso constante é um grande mal que reforça a natureza inferior e entorpece a consciência. As agressões sexuais destroem o amor pelas coisas sagradas e enfraquece a vitalidade. O casamento não dá licença para excessos sexuais. Atos sexuais degradantes e destemperados destroem o amor e o respeito de um pelo outro. Uma vida sexual temperada é recomendada pela Bíblia (1 Coríntios 7:3-7). Contatos sociais com os outros são absolutamente essenciais. A verdadeira felicidade não pode ser encontrada no isolamento. Temos de aprender a rir e desfrutar saudavelmente os bons momentos. Ser excessivamente sério é perigoso. Fazer coisas demais ou de menos, enfraquece a mente, consciência, corpo, e a capacidade de amar e respeitar um ao outro. Não deixe que a intemperança destrua seu casamento.

13. Respeite os direitos pessoais e a privacidade um do outro

“O amor é paciente…não arde em ciúmes…não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses…não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade ” (1 Coríntios 13:4-7). “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros (Romanos 12:10).

Cada cônjuge tem o direito dado por Deus a determinadas intimidades pessoais sem explicação. Não mexa em carteira ou bolsa um do outro, e-mail pessoal, celular etc sem autorização dada. O direito à privacidade e sossego quando preocupados deve ser respeitado. Cônjuges nunca devem tentar forçar mudanças de personalidade um ao outro. Só Deus pode fazer essas alterações, e todos nós responderemos pessoalmente a Ele sobre este assunto (Romanos 14:12). Aperfeiçoe a confiança um no outro isso é essencial para a felicidade. Gaste menos tempo tentando “descobrir, desmascarar” o seu cônjuge e mais tempo tentando agradar a ele ou ela. Isto opera maravilhas.

14. Seja limpo, modesto, ordeiro e obediente

“Da mesma forma, também, que as mulheres se ataviem com traje modesto” (1 Timóteo 2:9). “ela trabalha de boa vontade com suas mãos..Levanta-se, mesmo à noite, para dar de comer aos da casa…Está atenta ao andamento da casa, e não come o pão da preguiça” (Provérbios 31:13, 15, 27). “purificai-vos” (Isaías 52:11). “Que tudo seja feito com decência e ordem” (1 Coríntios 14:40). “Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel (1 Tim 5:8). “Não sejais preguiçosos” (Hebreus 6:12).

A preguiça, sujeira, desordem e desleixo são armas do Diabo para destruir o seu respeito e carinho um pelo outro, e assim arruinar seu casamento. Arrumar-se, vestir trajes limpos e modestos, cuidar do corpo, são essenciais para ambos, marido e mulher. As refeições devem ser saudáveis, atraentes, e servidas na hora. A casa deve ser limpa e arrumada, porque isso traz paz, tranqüilidade e satisfação a todos. Um marido preguiçoso que não provê a sua casa é uma maldição para sua família e um insulto a Deus. O descuido em algumas dessas questões aparentemente pequenas está destruindo lares aos milhares.

15. Determine-se a falar baixo e gentilmente

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Provérbios 15:1). “Goza a vida com a mulher que amas” (Ecles 9:9). “Quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino” (1 Coríntios 13:11).

Obrigue-se a falar suavemente e gentilmente com seu cônjuge. O silêncio, quando alguém é atacado, é frequentemente o melhor método para resfriar a ira. Decisões tomadas quando se está com raiva, cansado ou desanimado não são confiáveis, então é melhor relaxar e deixar esfriar a raiva. E quando você falar, fale sempre com tranquilidade e amorosamente. Palavras duras, de raiva esmagam o desejo do seu cônjuge lhe agradar.

16. Seja razoável em matéria de dinheiro

“Quem ama não é grosseiro nem egoísta” (1 Cor 13:4-5). “Deus ama ao que dá com alegria” (2 Coríntios 9:7).

Todos os bens e rendas no casamento devem ser “nosso”, não “seu” e “meu”. Mulheres que não trabalham fora de casa devem receber uma quantidade regular de mantimentos, roupas e outros itens orçados. Deve-se prover alegremente ao invés de com má vontade e sob protesto. Esposa e marido, ambos devem ter pequenos montantes iguais (quando possível) para gastarem como desejar, sem prestar conta. Um marido avarento geralmente irrita sua esposa a ser uma gastadora, assim como um marido perdulário torna uma mulher mesquinha. Mostrando confiança na capacidade de gerir do seu companheiro normalmente fará com que ele ou ela sejam mais responsáveis e profissionais.

17. Conversem e aconselhem-se livremente

“Aquele que rejeita a correção menospreza a sua alma” (Provérbios 15:32). “Tens visto a um homem que é sábio a seus próprios olhos? Maior esperança há no insensato do que nele” (Prov 26:12).

Poucas coisas vão fortalecer mais seu casamento do que aconselharem-se mutuamente em todas as decisões importantes. Mudar de emprego ou comprar uma casa, um automóvel, um barco, móveis, roupas (itens importantes, ou menos), e todos os outros itens que necessitam de dinheiro envolvem ambos, marido e mulher, e as opiniões de ambos devem ser consideradas. Falar sobre coisas em conjunto vai evitar muitos erros que podem arruinar seu casamento. Se, depois de muita discussão e fervorosa oração, as opiniões ainda diferirem, a esposa deve submeter-se à decisão do marido. A Bíblia é clara sobre este assunto. (Ver Efésios 5:22-24).

Guia de estudo publicado no site amazing facts. Crédito da Tradução Blog Sétimo Dia http://setimodia.wordpress.com/

Ator não faz filme com a esposa; o outro tapa os olhos

Ben Affleck não quer saber de outro “Gigli” em sua filmografia, o longa que fez com a então namorada Jennifer Lopez e que foi um fracasso de crítica e de público. O ator disse em entrevista à revista Us Weekly que nunca trabalhará em um filme com a mulher, Jennifer Garner, com quem está casado há cinco anos e tem dois filhos. “Eu seria muito sortudo de trabalhar com ela. Mas alguma coisa me diz que as pessoas não querem ver casais de verdade juntos no cinema”, afirmou o ator. “Gigli” foi lançado em 2003. O relacionamento entre Aflleck e J-Lo terminou no ano seguinte. Por enquanto, não há perspectiva de Affleck e a esposa se cruzarem num set de filmagem. Escalada para o thriller dramático “Better Living Through Chemistry” (Melhor Viver Através da Química, numa tradução direta para o português), Jennifer Garner, que atua no seriado televisivo “Alias”, vai dividir tela com Jeremy Renner, de Guerra ao Terror. [...]

[Aqui no Brasil,] o cantor Di Ferrero, do NXZero, ainda está se acostumando com a ideia de ver a namorada, Mariana Rios, dando uns amassos com outros rapazes. É que em Araguaia, a atriz viverá a vilãzinha espevitada Nancy, que vai protagonizar muitas cenas quentes. Segundo a artista contou à coluna “Diário da Fama”, doDiário de S. Paulo, nessa hora o amado fecha os olhos para não ver. Mas Di terá de se acostumar, pois a personagem de Mariana aparecerá em sequências pra lá de sensuais. Tanto que, para dar conta de usar os figurinos curtíssimos de Nancy, a famosa emagreceu uns quilinhos.

(VejaTerra)

Nota: Nem é preciso dizer que tem algo muito errado aí. Tanto nas telas quanto fora delas, casais famosos (com raríssimas exceções) dão péssimo exemplo no que diz respeito à fidelidade e aos valores morais que devem nortear as relações humanas. Quem pensa diferente não deve “beber” dessas “fontes” poluídas, sob risco de se conformar com “este século” (cf. Romanos 12:2).[MB]

Fonte: Criacionismo

CASAMENTO NÃO É O SEPULTAMENTO DA NOSSA INDIVIDUALIDADE

Individualidade e mutualidade.

Individualidade – respeito consigo mesmo.

Mutualidade – respeito com os outros.

O equilíbrio entre individualidade e mutualidade é um desafio permanente na vida de um casal (liberdade e compromisso).

Isto porque é difícil construir uma relação em que os aspectos saudáveis de cada um se completam, onde um e outro possam ser o que são, coexistindo duas individualidades numa parceria.
Carl A. Whitakar, diz que: “quanto mais você é livre para ficar com os outros, especialmente com o seu cônjuge, mais você se sente livre consigo mesmo”. A questão é: Qual é o grau de liberdade e independência necessário para que a relação continue viva e abrigue possibilidades de desenvolvimento pessoal?

Verdades que todo casal precisa saber sobre individualidade e mutualidade:

1-Deus criou o homem carente de relacionamento, com ânsia de se juntar e não passar a vida sozinho (Gn 2.18; Ec 4.9-13).

2-Casamento não é uma chamada para o encarceramento, prisão ou escravidão, no sentido de perda total de liberdade e de individualidade. A unidade do casal não pode ser doentia. No amor não há sentimento de possessividade.

3-Se uma pessoa é dominadora (possessiva) e tolhe a liberdade do parceiro, o companheirismo deixa de existir. À medida que o amor cresce, também crescem a liberdade, a responsabilidade e o próprio amor.

4-O equilíbrio entre a proximidade e a liberdade de cada indivíduo é uma das características mais importantes da completude.

5-Casamento problemático é aquele em que uma das partes enxerga as horas de separação, a individualidade e o espaço como ameaças. Para essa pessoa, a individualidade significa falta de amor e descaso. Ela só se sente amada quando está ao lado do outro.

6-O casal deve estar atento para o perigo de usar a liberdade de modo destrutivo. Adão e Eva usaram a liberdade para pecar contra Deus. O apostolo Paulo fala sobre isso: “ Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne; ao contrário, sirvam uns aos outro mediante o amor. Toda a Lei se resume num só mandamento: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’”. (Gl 5.13,14).
7-Não podemos usar nossa liberdade para satisfazer nosso egocentrismo.

8-Cada casal deve encontrar um grau de individualidade com sabedoria para que nenhum dos dois sofra.

9-A Bíblia diz: “Ame o próximo como você ama a si mesmo” (Mc. 12.33). Ao exercer a sua individualidade, não deixe de ver como a sua liberdade está afetando a pessoa que você ama. Você gostaria de ser tratado com desrespeito? Lembre-se, respeito gera respeito!

Fonte: Lar com Cristo