PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Sábado, 25 de fevereiro de 2017
   |   
GOOGLE NO SITE

  / Notícias

11/01/2017 09h08 - Atualizado em 11/01/2017 09h17
Inflação oficial fecha 2016 em 6,29%, diz IBGE
IPCA ficou dentro do teto da meta de inflação para o ano determinado pelo Banco Central. Preço dos alimentos exerceu a maior influência sobre o IPCA.

G1
0 Comentários  


O Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, ficou em 0,3% em dezembro, o menor para o mês desde 2008, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (11). Com isso, o indicador fechou o ano de 2016 em 6,29%, a mais baixa desde 2013.

Pelo sistema que vigora no Brasil, a meta central para 2016 era de 4,5%, mas, com o intervalo de tolerância existente, o IPCA poderia oscilar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta fosse formalmente descumprida. Em 2015, o índice havia avançado 10,67%.

A estimativa mais recente dos economistas do mercado financeiro apontava que o IPCA chegaria no final de 2016 a 6,35%, segundo o boletim Focus, do BC.

Alimentação e saúde

Tanto em dezembro quanto em 2016, foi a alta dos alimentos que impediu o IPCA de registrar uma desaceleração ainda maior - grupo com o maior peso no cálculo do índice. A alta de preços desse grupo de despesas acelerou a 8,62% no ano passado, depois de avançar mais de 12% em 2015.

O IBGE atribui essa alta dos alimentos à produção agrícola brasileira, que ficou 12% abaixo da colhida em 2015. "O consumidor passou a pagar, em média, 8,62% mais caro do que em 2015 para adquirir alimentos", diz, em nota.

Entre os alimentos, os maiores impactos partiram dos aumentos de feijão (56,56%), farinha de mandioca (46,58%), leite em pó (26,13%) e arroz (16,16%). Em compensação, caíram os custos de tomate (-27,82%), batata inglesa (-29%) e cebola (-36,5%).

"A mandioca pressionou muito no índice do ano. A mandioca encerrou o ano com 46,58% a mais em função de problemas na oferta da mandioca. Isso influencia principalmente na alimentação no Nordeste", explicou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de índices de preços do IBGE.

Também contribuíram com o aumento geral dos preços da alimentação os alimentos consumidos em casa, que subiram 9,36%, e os consumidos fora de casa, que ficaram 7,22% mais caros em 2016.

Os preços relativos a saúde e cuidados pessoais também pressionaram o IPCA deste ano ao atingir a maior alta entre todos os grupos de despesas analisados para o cálculo desse indicador. De 9,23% em 2015, a variação passou para 11,04% no ano seguinte.

O resultado foi puxado principalmente pelo reajuste dos planos de saúde, que chegou a 13,55% - a maior taxa desde 1997 - e pelos remédios, que ficaram 12,5% mais caros: a taxa mais elevada desde 2000.

O grupo de gastos com transportes também tem grande peso no cálculo do IPCA. Assim como os alimentos, os transportes também ajudaram a frear um aumento maior da inflação em 2016. De 10,16%, a taxa foi para 4,22%). Influenciaram os preços de transporte público (7,78%). Já as passagens aéreas fecharam o ano com queda de 4,88%.

Os brasileiros também tiveram de gastar mais com educação. A alta, de 8,86% em 2016 (9,25% em 2015), foi influenciada pelo aumento dos preços dos cursos regulares, de 9,12%. As despesas pessoais também pesaram bem no bolso. A alta de 8% desse grupo foi principalmente puxada pelos custos com empregado doméstico, 10,27%, ficando acima do IPCA.

Os preços dos gastos relativos à habitação também subiram em 2016, 2,85%, mas num ritmo mais fraco do que o visto no ano anterior, quando a alta chegou a 18,31%. Segundo o IBGE, a principal contribuição partiu da energia elétrica, que ficou 10,66% mais barata.

"A gente poderia dizer que o destaque no mês para ajudar que a taxa [IPCA] não fosse maior foi a energia elétrica, que tem um peso importante no orçamento das famílias. Isso teve um impacto forte no IPCA. A bandeira tarifária passar de amarela para verde, indicando que não havia custo adicional também contribuiu", explicou a coordenadora de índices de preços.

Segundo o IBGE, entre as regiões metropolitanas analisadas, Fortaleza registrou a maior variação, de 8,34%, puxado pela alta acima de 12% de alimentação e bebidas naquele local. Por outro lado, foi em Curitiba que os preços subiram menos, 4,43%. As contas de energia elétrica tiveram redução de 21,53%. Em 2015, o IBGE lembra que a capital paranaense havia acumulado a maior variação, de 12,58%.

Raio X do IPCA

O índice é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos de dez regiões metropolitanas, além de Goiânia, Campo Grande e Brasília.

No cálculo do índice de dezembro, por exemplo, foram comparados os preços pesquisados de 1º a 29 de dezembro de 2016 (referência) com os preços vigentes de 28 de outubro a 30 de novembro de 2016.

 

Imprimir | Comunicar Erros | Link

» Ninguém comentou ainda, seja o primeiro !

COMUNICAR ERRO NA MATÉRIA

Seu Nome
Email
Comentários

» comente esta matéria

AVISO:

1 - Ao comentar uma matéria é registrado o IP (número de registro) do computador de onde foi enviado.

2 - Também é armazenado no banco de dados, o EMAIL de quem escreve

3 - A responsabilidade do que é escrito é de seus autores ( proprietários do email e do IP)

4 - Comentários com ofensas pessoais ( xingamentos ), acusações, racistas, etc. Não serão permitidos.

5 - Não serão mais permitidos comentários que não tratem diretamente da matéria título.

6 - Caso sinta-se ofendido por um comentário, solicite sua retirada pelo email/MSN contato@lagartense.com.br ou pelo número (79)9945-9820 - Retiraremos imediatamente.

7 - Caso deseje fazer uma denúncia ou matéria, envie para contato@lagartense.com.br com suas devidas identificações, que publicaremos.

***
NOME *
EMAIL *
( Seu Email não será divulgado )
COMENTÁRIO *
Enviando ...
últimasNotícias
» 24/02/2017 | 01h48
UFS divulga lista de espera do processo seletivo Sisu/Mec 2017
» 24/02/2017 | 01h26
Seja sócio-contribuinte da Apae Lagarto!
» 24/02/2017 | 01h20
Serraglio diz que manterá orçamento da Lava Jato e diretor-geral da PF
» 24/02/2017 | 01h10
TCE: 17 prefeitos recebem subsídio igual ou superior a R$ 30 mill
» 24/02/2017 | 00h46
Já é Carnaval em Sergipe!
» 24/02/2017 | 00h10
Falta de água foi debatida na sessão desta quinta-feira (23)
» 23/02/2017 | 23h29
Prefeitura paga salário de todos os servidores municipais nesta sexta (24)
» 23/02/2017 | 23h07
HRL alerta para maior risco de acidentes no trânsito durante o período
» 23/02/2017 | 22h51
CNSP invade as avenidas com o Bloco Setentão
» 23/02/2017 | 08h52
Alan morre após trocar tiros com a Polícia Civil
» 23/02/2017 | 08h04
Feiras livres acontecerão normalmente durante o carnaval em Lagarto
» 23/02/2017 | 03h08
Ministro José Serra pede demissão
» 23/02/2017 | 03h02
TRE recebe registros de candidaturas para eleição em Carmópolis
» 23/02/2017 | 02h52
Começam os trabalhos de instalação das cadeiras da Clínica Odontológica do Campus
» 23/02/2017 | 02h47
MP assegura efetividade nas obras de esgotamento em Lagarto
» 23/02/2017 | 02h35
Lagarto venceu o Estanciano fora de casa
» 23/02/2017 | 02h28
Justiça mantém decisão que suspende venda da Deso
» 23/02/2017 | 02h18
Motocicleta é furtada e duas horas depois recuperada pelo 7º BPM
» 23/02/2017 | 01h59
Seria uma sereia ou seria só... Delírio tropical?
» 22/02/2017 | 13h45
Um garoto faz um pedido simples na foto do Whindersson Nunes, a resposta dele surpreende
Veja + Notícias
maisLidas
PUBLICIDADE








| © Copyright - Todos os Direitos Reservados |
Reportagem: (79) 9945-9820    |   Comercial: (79) 9902-8663